O imbróglio jurídico do setor de óleo e gás no Brasil

O imbróglio jurídico do setor de óleo e gás no Brasil

* Por Júlio Cepêda

Conteúdo Relacionado

O setor de óleo e gás no Brasil convive há 20 anos com uma grande insegurança jurídica no que diz respeito às regras tributárias que regulam a indústria. Desde a edição da Lei no 9.478, que permitiu a abertura do mercado, mas não trouxe regras fiscais específicas para o setor, até os dias de hoje, com a exposição a ações locais como o recente cancelamento das regras sobre o tratamento de importações e exportações com base no Repetro pelo governo do Estado do Rio de Janeiro, as empresas que atuam na área enfrentam uma série de alterações – e omissões – legislativas que acabam afastando investidores e comprometendo a cadeia de fornecedores. Além disso, cria-se um ambiente que inviabiliza o bom planejamento e a execução dos investimentos de longo prazo, típicos do segmento de óleo e gás.

As discussões tiveram início em 1997 com a referida Lei no 9.478, que dispôs sobre as políticas nacionais para o aproveitamento racional das fontes de energia, as atividades relativas ao monopólio do petróleo, instituiu o Conselho Nacional de Política Energética e a Agência Nacional do Petróleo. Ela permitiu a entrada de outras empresas no setor, além da Petrobras que detinha o monopólio. Já em 2002, visando aumentar a arrecadação, o estado do Rio de Janeiro, um dos principais produtores de petróleo do país – que tem 30% do PIB oriundos dessa área –, sancionou a Lei n° 3.851. Conhecida como Lei Valentim, ela permitida a cobrança de ICMS na importação, seja sob admissão temporária ou não, de bens a serem utilizados na produção de petróleo no litoral do Estado. Em 2003 foi publicada uma outra lei, de número 4.117, a chamada Lei Noel, que determinava a incidência de ICMS sobre a operação de extração de petróleo.

Entre questionamentos a respeito da inconstitucionalidade das referidas leis iniciados pelos órgãos e associações do setor, a indústria passou quase uma década sem saber o que realmente aconteceria com relação à cobrança do ICMS no Rio de Janeiro. Para apaziguar essa situação e atrair investidores, o governo do Rio editou o Decreto n° 41.142, de 23 de janeiro em 2008, que determinava a isenção e redução de base de cálculo do ICMS em operação com bens ou mercadorias destinadas às atividades de pesquisa, exploração ou produção de petróleo e gás natural.

Entretanto, a calmaria aparente e esperada pelo setor começou a ter fim quando se deu início a outras duas discussões: a redistribuição da receita oriunda dos royalties do petróleo, que é uma compensação paga pela extração do produto, diminuindo o repasse de dinheiro para estados e municípios produtores e aumentando para os não produtores; e a queda abrupta do preço do petróleo no mundo. Diante dos sinais de crise financeira e numa nova tentativa de aumentar a arrecadação com a extração do petróleo, o estado do Rio ainda editou a Lei n° 7.183, de 30 de dezembro de 2015, que ficou conhecida como a “nova lei Noel”. 

Ela determina a cobrança da alíquota na etapa compreendida entre a extração do petróleo no estado do Rio de Janeiro e a passagem pelos pontos de medição da produção, sob a alíquota total de 20%. Ao apagar das luzes do ano de 2015, o governo fluminense editou a Lei n° 7.182, instituindo a Taxa de Controle, Monitoramento e Fiscalização Ambiental das Atividades de Pesquisa, Lavra, Exploração e Produção de Petróleo e Gás (TFPG).

Os contribuintes imediatamente questionaram as exigências perante o Poder Judiciário, dando-se início a uma nova enxurrada de discussões judiciais com o objetivo de suspender os efeitos. Não satisfeito, como já mencionado o Estado do Rio de Janeiro acabou cancelando o especial tratamento de importações e exportações sob o Repetro para fins de incidência do ICMS. Dessa forma, estrangula-se um setor que utiliza intensivamente a mão de obra, impactando a renda e afetando, principalmente, a cadeia de fornecedores nacionais. Tudo isso pode acabar acarretando a perda da competitividade do Rio para outros estados, como São Paulo, que já estão se organizando para receber a indústria.

O que se pretende ressaltar aqui é a necessidade de uma discussão mais profunda sobre a insegurança jurídica que o setor de óleo e gás vive há mais de 20 anos não só no Rio de Janeiro, mas no país todo. Vale lembrar que nessa briga com a indústria, há décadas, por causa das idas e vindas da cobrança do ICMS, a origem do problema está na Constituição Federal, que determina que arrecadação deste imposto estadual vá não para o estado produtor, mas sim para o estado de destino. São medidas que estão penalizando os estados produtores, os quais suportam riscos muitas vezes desconsiderados, como o impacto ambiental da atividade em seus territórios. Dessa forma, o Brasil precisa se posicionar de forma definitiva se quer estimular ou não um dos setores de maior relevância para impulsionar a economia brasileira.

* Júlio Cepêda é sócio da área de tributos em óleo e gás da KPMG

Sobre a KPMG

A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory. Estamos presentes em 155 países, com mais de 174.000 profissionais atuando em firmas-membro em todo o mundo. As firmas-membro da rede KPMG são independentes entre si e afiliadas à KPMG International Cooperative (“KPMG International”), uma entidade suíça. Cada firma-membro é uma entidade legal independente e separada e descreve-se como tal.

No Brasil, somos aproximadamente 4.000 profissionais distribuídos em 13 Estados e Distrito Federal, 22 cidades e escritórios situados em São Paulo (sede), Belém, Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Joinville, Londrina, Manaus, Osasco, Porto Alegre, Recife, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Salvador, São Carlos, São José dos Campos e Uberlândia.

Twitter: http://www.twitter.com/@kpmgbrasil
Site: www.kpmg.com.br
Linkedin: www.linkedin.com/company/kpmg-brasil
Facebook: facebook.com/KPMGBrasil

Atendimento à Imprensa

Ricardo Viveiros & Associados - Oficina de Comunicação (RV&A)
Marcel Trinta - marcel.trinta@viveiros.com.br - 11 3736-1127
Bianca Antunes - bianca.antunes@viveiros.com.br - 21 3515-9431
Ana Azevedo - ana.azevedo@viveiros.com.br - 11 3675-5444
Annelize Demani - annelize@viveiros.com.br - 21 3515-9487
Twitter: http://www.twitter.com/@RVComunicacao
Facebook: facebook.com/ricardoviveiroscomunicacao
Site: viveiros.com.br 

conecte-se conosco

 

Pedido de proposta

 

Enviar

Nova plataforma digital da KPMG

A KPMG International criou uma avançada plataforma digital que aumenta sua experiência, otimizada para descobrir novos e relacionados conteúdos.

 
Leia mais