Desafio ético nos grandes projetos de infraestrutura

Desafio ético nos grandes projetos de infraestrutura

*Fernando Faria

Conteúdo Relacionado

O próximo dia 18 marcará o encerramento de mais um ciclo olímpico. Duas questões ficarão no ar após este evento: como a história lembrará o legado dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016; e se a cidade do Rio de Janeiro irá prosperar depois dos investimentos na implantação do VLT, na expansão da linha 4 do metrô, na revitalização das vias expressas com implementação do BRT e no comprometimento de despoluição da Baia de Guanabara?

As expectativas são grandes, já que o objetivo de um projeto de infraestrutura é atender ao interesse público, melhorar a vida das pessoas e apoiar o desenvolvimento econômico. Porém, uma obra de infraestrutura, podem também criar severos prejuízos de toda ordem, como desapropriações sem ressarcimento e ausência de medidas mitigadoras aos impactos ambientais.

Sem entrar no mérito das polêmicas relativas aos valores, licitações e prazos das obras realizadas para a Olimpíada do Rio de Janeiro, assim como a Copa do Mundo do Brasil em 2014, é necessário que os grandes empreendimentos de infraestrutura, dado seu significado como elementos transformadores do ambiente urbano, como investimentos de alta monta e com impactos expressivos na economia e na vida das pessoas, sejam blindados contra a imoralidade de toda ordem. Quando falta ética e lisura nessa área, as consequências são graves.

Vejam, por exemplo, o que aconteceu há 65 anos, em uma comunidade latina localizada em Chávez Ravine, na cidade americana de Los Angeles, que presenciou a destruição de suas casas para dar lugar a um novo conjunto habitacional respaldado pela Lei Federal de Habitação dos Estados Unidos de 1949. As autoridades governamentais fizeram uso do instituto da desapropriação para obrigar os indivíduos a vender seu imóvel ao governo com a promessa de que teriam direito de preferência na compra das novas residências. No entanto, elas nunca foram construídas e, no fim, a cidade construiu um estádio de beisebol profissional no local, em 1959. 

Frank Wilkinson, diretor-assistente da Secretaria de Habitação da Cidade de Los Angeles e um dos principais defensores do conjunto habitacional em Chavez Ravine, mostrou arrependimento no documentário de 2003, denominado Chavez Ravine: ALos Angeles Story (Chavez Ravine: Uma história de Los Angeles). “Foi decididamente a tragédia da minha vida,” afirmou. “Fui responsável pela retirada de centenas de pessoas do seu ambiente e pela destruição de todo o local”.

Diante disso, é evidente que a comunidade, assim como os líderes governamentais e empresariais, tem a obrigação moral de pesar de maneira cuidadosa os dilemas do desenvolvimento da infraestrutura. Essas escolhas normalmente afetam de modo mais contundente os indivíduos mais vulneráveis e pobres.

O desafio ético, em se tratando de infraestrutura é uma questão global. E se a melhora dos serviços públicos geralmente apresenta aspectos positivos, como o fornecimento, a custos razoáveis, de energia, habitação, água limpa, serviços de saúde e transportes, cabe aos responsáveis por esses projetos prestar contas dos aspectos negativos do desenvolvimento e assegurar que haja proteções suficientes para aqueles que forem impactados pelas mudanças.

E tal impacto continuará a existir. O crescimento populacional, a migração e a urbanização estão forçando um aumento na construção de infraestrutura, especialmente nas economias emergentes e nos países em desenvolvimento. Estima-se que US$ 57 trilhões sejam necessários até 2030, ou US$ 3,4 trilhões por ano, para atender a essa demanda. 

Para se cumprir as metas de desenvolvimento sustentável e concretizar o nível necessário de investimentos, grandes cuidados e consideração são essenciais, não somente para proteger os direitos das comunidades e o meio ambiente, mas a moralidade da infraestrutura. Esta pressupõe inúmeros outros pontos, como os impactos das mudanças climáticas, a corrupção, o uso de mão de obra ilegal ou sem visto de trabalho, condições laborais ruins e insalubres e, na nova era digital, o mau uso de dados públicos e pessoais. A necessidade de as empresas fazerem a coisa certa deve-se ao fato de que há vidas e formas de subsistência em jogo.

Não há margem para erros e mesmo os riscos mais improváveis precisam ser planejados. No entanto, com uma despesa anual de US$ 3,4 bilhões para o atendimento das nossas necessidades de infraestrutura, precisamos de um debate transparente e honesto, mas no final das contas terá de ser tomada uma decisão. Não fazer nada é tão imoral quanto fazer a coisa errada.

Em decorrência das metas de desenvolvimento sustentável, da crescente necessidade de infraestrutura resultante do aumento da população e da urbanização e do impacto das mudanças climáticas, devemos assegurar que nossas decisões de investimento beneficiem os mais vulneráveis na sociedade, assim como as massas. Precisamos entender o impacto de uma boa infraestrutura sobre o desenvolvimento e, acima de tudo, é preciso que os líderes governamentais e empresariais ajam com responsabilidade. Afinal de contas, é importante investir na obtenção da decisão de longo prazo correta e posicionar-se no lado certo da história. 

*Fernando Faria é sócio de Infraestrutura na KPMG Brasil. Já trabalhou em mais de 30 países, da Europa, África, América Latina, Estados Unidos e Índia. Na KPMG, Fernando trabalhou nos setores de Transportes (estradas, ferrovias, portos e aeroportos), Energia, Águas e Infraestrutura Social (hospitais, escolas e outros projetos do Governo). 

Sobre a KPMG

A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory. Estamos presentes em 155 países, com mais de 174.000 profissionais atuando em firmas-membro em todo o mundo. As firmas-membro da rede KPMG são independentes entre si e afiliadas à KPMG International Cooperative (“KPMG International”), uma entidade suíça. Cada firma-membro é uma entidade legal independente e separada e descreve-se como tal. No Brasil, somos aproximadamente 4.000 profissionais distribuídos em 13 Estados e Distrito Federal, 22 cidades e escritórios situados em São Paulo (sede), Belém, Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Joinville, Londrina, Manaus, Osasco, Porto Alegre, Recife, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Salvador, São Carlos, São José dos Campos e Uberlândia. 

Twitter: http://www.twitter.com/@kpmgbrasil
Site: kpmg.com/BR
Linkedin: www.linkedin.com/company/kpmg-brasil
Facebook: facebook.com/KPMGBrasil 

Atendimento à Imprensa

Ricardo Viveiros & Associados - Oficina de Comunicação (RV&A)
Marcel Trinta - marcel.trinta@viveiros.com.br - 11 3736-1127
Bianca Antunes - bianca.antunes@viveiros.com.br - 21 3515-9431
Ana Azevedo - ana.azevedo@viveiros.com.br - 11 3675-5444
Annelize Demani - annelize@viveiros.com.br - 21 3515-9487
Twitter: http://www.twitter.com/@RVComunicacao
Facebook: facebook.com/ricardoviveiroscomunicacao
Site: viveiros.com.br 

conecte-se conosco

 

Pedido de proposta

 

Enviar

Nova plataforma digital da KPMG

A KPMG International criou uma avançada plataforma digital que aumenta sua experiência, otimizada para descobrir novos e relacionados conteúdos.