De hacker que invadiu a NASA a empresário | KPMG | BR

De hacker que invadiu a NASA a empresário

De hacker que invadiu a NASA a empresário

Wanderley usou sua habilidade de gênio da informática para abrir o seu próprio negócio

Conteúdo Relacionado

Mercado Empreendedor

O carioca Wanderley de Abreu Júnior, hoje com 36 anos, se alfabetizou na frente do computador. Tudo começou quando ganhou um PC aos seis anos, um CP 400, computador doméstico de 8 bits. E não demorou nada para que o garoto aprendesse a entender e dominar o novo brinquedo.

Estimulado pelos seus pais, Wanderley seguiu buscando cada vez mais conhecimento e investindo seu tempo e dinheiro naquilo que mais gostava. Mergulhado no mundo da tecnologia, ganhou o apelido de Storm – hoje o nome de sua empresa. A invasão dos computadores era muito além de uma diversão de um bando de garotos que, pela primeira vez, entravam em contato com um mundo imenso e inexplorado de informações.

Mais tarde, em sua adolescência, a internet começou a engatinhar no Brasil e o jovem Storm já estava hackeando grandes sistemas de dentro e fora do País. Um desses ataques quase acabou de uma maneira trágica. Foi em 1999, trabalhando para uma grande empresa da área de tecnologia que ele descobriu um defeito em um sistema da Silicon Graphics, então uma das gigantes mundiais da computação, que passava por grave crise financeira. Rastreando a falha, a habilidade de hacker de Wanderley falou mais alto e acabou alcançando os sistemas da agência espacial norte-americana, a NASA.

 

Da NASA, Storm conseguiu acesso ao Departamento de Energia dos Estados Unidos, mas exagerou na diversão e acabou descoberto. Os responsáveis pelos sistemas ofereceram um curso de segurança e um estágio se ele contasse como havia chegado às falhas.

Com o destaque da invasão e todo o conhecimento adquirido, Storm conseguiu o investimento necessário para criar sua primeira empresa de segurança da informação. Entre erros e acertos como empresário, em 2007, ele fundou a Storm Security, que atua com segurança de infraestrutura e com desenvolvimento de sistemas críticos, que não podem parar de maneira nenhuma.

Hoje a Storm Security é responsável por manter funcionando equipamentos de emissoras de TV a usinas nucleares e fatura em torno de R$ 9 milhões por ano. Entre seus clientes, estão a NET e os canais a cabo Telecine e SportTV. Outra divisão, a Storm Defense, trabalha com tecnologia militar, na pesquisa de armamento inteligente e não letal, a exemplo dos drones, veículos aéreos não tripulados.

Wanderley entendeu desde o começo de sua carreira como empresário que sua habilidade com programação e informática poderia lhe render prestígio e sucesso nos negócios se todo o conhecimento fosse bem empregado.Os serviços da KPMG podem ser a ferramenta necessária para o sucesso da sua ideia. Por meio de um grupo de executivos especializados em Mercado Empreendedor, podemos apresentar meios efetivos para você alcançar resultados sólidos.

conecte-se conosco

 

Pedido de proposta

 

Enviar